Anatomia do Ouvido

Anatomia do Ouvido

Não são somente as pessoas de idade avançada que sofrem de problemas de audição; pessoas de todas as idades, profissões e formas de vida diferentes podem ser afectadas.

As deficiências auditivas podem ser congénitas (de nascença) ou adquiridas.
Quando a falta de audição aparece de forma repentina, apercebemo-nos de imediato que algo não está bem e normalmente consultamos logo um especialista tentando resolver o problema. Quando surge de forma gradual, como tudo o que acontece lentamente, vamo-nos habituando, vamos ajustando a nossa vida, vamos aceitando e de certa forma negando a existência de um problema, e a grande maioria das vezes é a família e os amigos que dão o primeiro passo.

Quando se começam a manifestar as dificuldades auditivas, os sons percebem-se de uma forma débil, mais confusos e não se entendem bem as conversas. Tomar atenção a todos estes sons pode ser uma tarefa esgotante e muitas vezes deixamos de comunicar com os outros simplesmente porque não entendemos ou não escutamos com precisão. Há quem chegue a sofrer transtornos psicológicos, sensações de solidão e isolamento da família e resto da sociedade.

Generalidades:

Prevalência da Perda Auditiva na População Infantil: (Dados da AAA EUA):
-1 em cada 1000 bebés nascem com surdez severa a profunda.
-10 em cada 1000 crianças em idade escolar tem hipoacúsia sensorineural permanente.
– 83 em cada 1000 crianças apresentam perdas auditivas que interferem com a educação.-
– Cerca de 30% das crianças hipoacúsicas apresentam outras deficiências além da perda auditiva.
Percentagem por faixa etária de pessoas com perda de audição: (dados do NIDCD, EUA)
– 17 em cada 1000 pessoas com menos de 18 anos
– 30% das pessoas com mais de 65 anos
– 40-50% das pessoas com mais de 75 anos
– 90% das pessoas com mais de 80 anos

Tipos de Perda Auditiva

Perda auditiva de Condução
O problema situa-se no canal auditivo externo (ex: cerúmen, corpos estranhos) e/ou no ouvido médio (ex,: otosclerose, otites, perfuração timpânica) , interrompendo a propagação das ondas sonoras, e, desta forma, não permitindo que os sons atinginjam o ouvido interno com toda a sua intensidade. Neste tipo de surdez, os sons são apenas percebidos pelo cérebro mais «abafados» mas não distorcidos.

Perda auditiva Sensorineural
As células ciliadas do ouvido interno e/ou o nervo auditivo encontram-se danificadas (ex.: por exposição excessiva a ruídos intensos, envelhecimento, medicação ototóxica, doenças infecciosas, hereditariedade, tumores). Neste caso, os sons são processados de formas muito diferentes do ouvido normal, e são percebidos pelo cérebro de um modo distorcido, ouvindo-se uns sons melhor do que outros consoante a sua frequência. Como a fala é composta por sons complexos e muito distintos, as pessoas que sofrem de perdas sensorineurais começam muitas vezes por queixar-se de que «ouvem mas não percebem….».

Perda Mista
Combinação das anteriores.